Fraturas Trocanterianas

DEFINIÇÃO

DIAGNÓSTICO

TRATAMENTO

PREVENÇÃO

 

DEFINIÇÃO

É uma fratura localizada logo abaixo do colo do fêmur e que pode apresentar uma grande fragmentação óssea.

Geralmente afeta pessoas muito idosas e a maneira como o osso quebra impede que elas possam se sentar ou movimentar no leito, com conseqüências danosas para o organismo. Essa imobilidade poderá provocar o acúmulo de secreção nos pulmões, levando a pneumonias. Há redução do fluxo de sangue nas veias das pernas, podendo ocasionar trombose, que é a formação de coágulos no interior das veias. Esses coágulos, ao se desprender e entrar na circulação, podem obstruir uma artéria do coração, cérebro ou pulmão e levar o paciente a um quadro grave.

DIAGNÓSTICO

Essas fraturas acontecem, na imensa maioria das vezes, após uma queda com impacto sobre o solo. O pé do lado atingido fica totalmente rodado para fora, o membro fraturado apresenta-se encurtado e com a região do quadril deformada. O paciente refere uma dor intensa no local da fratura e não consegue andar. O diagnóstico é feito por radiografias simples da bacia.

TRATAMENTO

O tratamento é sempre cirúrgico. Naqueles casos em que, por qualquer razão, o paciente não possa ou queira ser operado, a evolução não será boa. A imobilidade prolongada no leito poderá provocar o surgimento de escaras (feridas), pneumonia, trombose e outras complicações que elevarão bastante o risco de vida.

O objetivo da cirurgia é fixar a fratura, aliviando a dor e permitindo a mobilização do paciente no leito ou cadeira até que a fratura se consolide, o que costuma acontecer, em média, em um prazo de quatro meses. Existem diversos sistemas de fixação do osso, desde as placas e parafusos até as hastes colocadas no interior do fêmur, assim como as próteses.

Para saber tudo sobre próteses, basta clicar nos links sobre este tema: pessoas até 50 anos, pessoas de 50 até 70 anos, pessoas acima de 70 anos, próteses cimentadas, próteses não cimentadas e substituição de próteses.

Há uma tendência de se realizar a cirurgia para colocação de implantes hoje em dia, através de pequenas incisões, o que permite uma recuperação mais rápida e com menos dor no pós-operatório.

PREVENÇÃO

A melhor maneira de se prevenir as fraturas relacionadas à osteoporose é praticar uma alimentação balanceada e rica em cálcio, realizar atividades físicas em que os pés, calçados, toquem no solo (caminhada, ginástica e dança) e expor a pele aos primeiros ou últimos raios de sol do dia se não houver contra-indicações de razão dermatológica. Além disso, manter-se afastado dos vilões, substâncias que retiram cálcio do esqueleto como a cafeína (café comum, chás preto e mate, chimarrão, refrigerantes diet), nicotina (cigarro, charuto e cachimbo) e bebidas alcoólicas.

Recomendam-se medidas de prevenção das quedas, que geralmente ocorrem em casa, à noite, no trajeto entre o quarto, o banheiro e a cozinha.

Mudanças na Estrutura Física da Casa

  • Retirar móveis baixos como mesinhas de centro, aparadores com pés proeminentes, tapetes, tacos soltos, degraus desnecessários, trocar pisos escorregadios.
  • No banheiro, colocar corrimão dentro do box e usar pisos e tapetes antiderrapantes. Para os mais idosos ou com problemas de equilíbrio é aconselhável tomar banho sentados em bancos colocados no interior do box ou banheira.
  • Manter sempre uma iluminação à noite no quarto e no caminho até o banheiro, para não ter de andar no escuro.
  • Retirar do trajeto quarto-banheiro todos os objetos que possam provocar tropeções e quedas, como fios elétricos e de telefone, calçados, tapetes soltos e brinquedos dos netinhos.
  • Se o piso do quarto for escorregadio, evitar dormir com meias.
  • Usar bengalas de apoio se for sujeito a tonteiras.

A conscientização do próprio idoso e dos familiares diminui muito o risco de quedas. Prevenindo-se a queda previne-se também a fratura !

 
     
  Web Design Labore Comunicação